Destaques

Newsletter

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Crítica Cinema: Meu Querido Filho

(Um filme bonito e triste que nos faz pensar sobre a vida)


Sinopse: Neste drama de produção na Tunísia e dirigido pelo aclamado diretor Mohamed Ben Attia. Riadh (Mohamed Dhrif) é um pai dedicado, que está prestes a se aposentar do seu trabalho no porto. A vida dele e da sua esposa Nazli giram em torno de seu filho Sami. O rapaz de 19 anos está estudando para os exames do ensino médio, mas começa a ter crises de enxaqueca. Quando as coisas parecem melhorar, ele desaparece. Filme estreia dia 03 de janeiro e com distribuição da Pandora Filmes.

 Cinema 552: Meu Querido Filho (Weldi)


É uma história tocante que se passa no Oriente Médio. A dedicação dos pais ao seu único filho. A dor que eles passam quando o rapaz desaparece. A pressão sobre o filho que faz com que fuja. O perigo de colocar todos os seus anseio e sonhos sobre alguém, esquecendo de si mesmo. É difícil não se identificar com os pais ou com o filho. O sacrifício e o egoísmo de cada um. A estrela do filme é o pai. O seu amor pelo filho, que faz com que ele vá atrás dele, mesmo sendo praticamente impossível encontrá-lo. O ator consegue comover sem uma atuação exagerada.

 
A vontade do filho de levar uma vida diferente dos pais. É compreensível a tentativa dele de fugir da mesmice e procurar uma vida que ele julga mais significativa. Mesmo que isso signifique magoa-los. Meu Querido Filho é um filme bonito e triste que nos faz pensar sobre como a vida pode se tornar monótona e vazia e como não temos controle sobre ela. E como ela pode mudar de um minuto para o outro. Um sentimento de impotência em relação ao destino muitas vezes cruel.


  ____________________________________________________________________
 Dúvidas, sugestões, parcerias e indicações: blogparsageeks@gmail.com

Comentários via Facebook

0 Comments:

Postar um comentário

Publicidade

ParsaGeeks

Instagram

© ParsaGeeks - Desbravando Filmes e Séries – Nossos Brindes de Cinema (NBC) Grupo ParsaGeeks