Destaques

quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

Crítica Cinema | Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

(Com grandes poderes, vem grandes... ah você já sabe)


Pela primeira vez na história cinematográfica do Homem-Aranha (Tom Holland), a identidade do herói amigão da vizinhança é revelada, colocando suas responsabilidades de super-herói em conflito com sua vida normal e colocando em risco aqueles com quem ele se preocupa. Quando ele pede a ajuda do Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) para restaurar seu segredo, o feitiço abre um buraco em seu mundo, liberando os vilões mais poderosos que já lutaram contra um Homem-Aranha em qualquer universo. Agora, Peter terá que superar seu maior desafio, que não apenas alterará para sempre seu próprio futuro, mas também o futuro do Multiverso. Elenco ainda conta com Zendaya, Jacob Batalon, Jon Favreau, Jamie Foxx,Willem Dafoe,Alfred Molina, Benedict Wong, Tony Revolori, Marisa Tomei,J.K. Simmons, entre outros. Direção de Jon Watts. Distribuição nacional da Sony Pictures. Estreia nos cinemas brasileiros em 16 de dezembro de 2021. Para o trailer, clique aqui.

Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa (Spider-Man: No Way Home)


Esse filme é sem dúvidas, o mais aguardado do ano. As inúmeras teorias que foram criadas, e com o tempo algumas confirmadas nos trailers e materiais de divulgação, empolgou a galera... No caso, a chance de vermos o multiverso de verdade (Coisa que foi levantada no filme anterior, mas não era nada disso) ouriçou os fãs e à medida que foram mostrados os vilões do Homem-Aranha de Sam Raimi, e do Espetacular Homem-Aranha, se levantou a grande possibilidade de vermos Tobey Maguire da primeira trilogia, e Andrew Garfield dos dois mal fadados filmes da franquia anterior a essa... Ascendeu o sentido de aranha dos fãs, fora um monte de outras questões levantadas, como aparição de um certo simbionte, além de um monte de outros personagens e que se todos fossem confirmados, teria mais gente que Vingadores Ultimato. O Fato de isso ter acontecido ou não aqui nesse longa, fica a seu critério assistir ou correr o risco de pegar spoiler em outro lugar... esse texto será focado na trama em si. Só para fechar a questão expectativas, todo esse hype levou a uma bilheteria assustadora até para época de não pandemia... que foram as pré-vendas. Então nesse quesito expectativa, Homem-Aranha: Sem Volta para Casa já é um fenômeno.


Que Tom Holland é um herói bem questionável em relação a sua imaturidade, principalmente em relação aos seus antecessores, isso não se discute, em De Volta ao Lar e Longe de Casa, Peter causa os principais problemas dessas histórias, além de está mais preocupado com as namoradinhas e sua adoração ao seu exemplo paterno, que seria o Tony Stark (Homem de Ferro)... e se tornando o famoso “leite com pera”, com tudo em mãos e sem as dificuldades que o verdadeiro cabeça de teia raiz sofreu em outras épocas. Aqui, como sabido, ele causa o erro do feitiço do Doutor Estranho, e isso desencadeia um rasgo temporal que abre o multiverso, trazendo vilões outrora conhecidos de outras franquias do teioso nos cinemas. É pisar em ovos falar de como é o desenvolvimento desses vilões e o que eles vão acrescentar ou subtrair do Homem Aranha sem estragar a experiência de quem ainda vai assistir, mas temos bem definidos os atos... Primeiro são as consequências de ele ter tido sua identidade revelada, ao contrário do que pensávamos, o roteiro consegue conduzir bem a ponto de você entender o porque do Parker querer apagar tudo, já que as coisas desandam para sua família e amigos de uma forma crescente, mas a prova que ele ainda não é preparado para o manto, fica comprovado no final desse terço da história, em uma conversa explicativa com o Doutro Estranho. O Segundo ato são os vilões, onde a ação acontece, além de algumas revelações, onde a narrativa deixa bem claro quem é o verdadeiro vilão dessa história, nada mais justo ser quem é... pois é o maior inimigo dele, ficou bem desenhado para a parte final. O terceiro ato que finaliza tudo, além das respostas a muitas perguntas... Aguenta coração, as emoções vão às alturas, conseguindo enlaçar tudo de forma correta... e que acontece ali, faz sentido e vai emocionar. Ao final da história... a solução acaba sendo algo que foi movida pelos erros iniciais do Aranha, deixando um legado, que se realmente for ter uma nova trilogia com o mesmo ator... É obrigatório esse Homem-Aranha do Tom Holland virá o herói que nasceu para ser, não dá mais gastar outra trilogia com ele cometendo erros bobos, infantis e que custam muito até para o próprio. A única cena pós crédito é algo que pensávamos, mas foi consertado ali em três, cinco minutos em tela, só deixando apenas o que o poderoso chefão da Marvel, Kevin Feige queria, o resto ele devolveu... Está curioso? Se Você já assistiu, vai entender... senão, quando assistir vai fazer sentido.


Os efeitos especiais nada a reclamar. A parte técnica impecável, assim como a sonora que vai emocionar nos momentos certo. Com o belo visual dos grandes acontecimentos que tem no longa... ter uma trilha de fundo que complemente isso tudo, ficou muito importante. É uma produção grandiosa, então a direção de Jon Watts é bem segura, concisa e com as peças jogadas em suas mãos, fez com que tudo funcionasse, trabalhou bem nas cenas de ação, drama e humor. Sobre o elenco... Tom Holland para mim ainda é fraco em relação aos anteriores que vestiram o manto do herói. Zendaya que nos dois primeiros fez uma MJ mala, o que levou muito fã querer que a personagem morresse nesse longa, agora temos um novo lado dela, e a atriz consegue manter bem. Jacob Batalon também tem mais espaço e importância, foi bem demais. Benedict Cumberbatch conseguiu trabalhar legal ao lado do protagonista, foi até melhor que Robert Downey Jr. Jon Fravreau é de uma sonolência atuando, só servindo como alivio cômico. Marisa Tomei com sua Tia May... é melhor desenvolvida, consegue seus momentos. Willem DaFoe supremo em atuação, assim como Jamie Foxx e Alfred Molina, como voltaram bem, nem parece que o tempo passou e os seus respectivos personagens continuam de um ponto de muito carisma, mesmo que do mal. J.K. Simmons retornando como JJJ, foi para o gasto. Tony Revolori, que no final de Longe de Casa, parecia que teria com seu Flash Thompson algo explorado, ficou escanteado, só serviu para piadinhas, até porque já tinha coisa demais acontecendo, não dava para encaixar mais nada. Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa é a prova que você consegue errar três vezes como herói (Peter Parker do Tom Holland), mas como produção em si... e com tudo que foi apresentado, entrega algo de encher os olhos dos fãs... colando vários momentos da franquia no tempo certo, entrando para a história dos filmes de herói, senão como qualidade de roteiro em si, mas sabendo respeitar os fãs do aracnídeo.

Imagens fornecidas pelas assessorias ou retiradas da internet para divulgação/Biografias usadas são da IMDB
  ____________________________________________________________________
 Dúvidas, sugestões, parcerias e indicações: contato.parsageeks@gmail.com

Comentários via Facebook

0 Comments:

Postar um comentário

Publicidade

ParsaGeeks

© ParsaGeeks - Desbravando Filmes e Séries – Nossos Brindes de Cinema (NBC) Grupo ParsaGeeks