Destaques

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Crítica Cinema | Mulan (2020)

(Beleza visual, não compensou uma história sem sal)


Huan Mulan (Yifei Liu) é uma espirituosa e independente filha mais velha de um honrado guerreiro, sempre pensando à frente da sua época, Mulan se ver obrigada a se passar por homem para entrar no exército chinês no lugar do seu pai que está doente, esse chamado pelo imperador (Jet Li) para combater uma onda do mal liderados por Böri Khan (Jason Scott Lee) e Xianniang (Li Gong) que está aterrorizando seu reino. A jovem agora sobe o nome de Hua Jun vai ter que esconder sua identidade ao mesmo tempo mostrar suas habilidades de batalha ao Comandante Tung (Donnie Yen) para lutar nessa guerra contra inimigos impiedosos. Elenco ainda conta com Yoson An, Tzi Ma, entre outros. Longa tem a direção de Niki Caro. Produção da Disney. Estreou exclusivamente no serviço de streaming do Disney Plus em 04 de dezembro de 2020. Para o trailer, clique aqui.

Mulan


Como a maioria dos filmes em 2020, houveram atrasos; mudanças de datas e incertezas se estreariam para as telonas ou streaming. A pandemia prejudicou demais o campo cinematográfico e isso já foi mencionado muitas vezes aqui mesmo no site, então pularei essa parte. Só que Mulan, teve mais problemas do que esses... Ao começar pela bagunça na distribuição... Em alguns países asiáticos, o live-action foi para os cinemas, e no restante do mundo chegou para o Disney Plus, isso causou revolta em donos de algumas redes, como você pode encontrar no YouTube do ParsaGeeks... os mesmos destruindo displays do longa. Além disso, teve as posições politicas da protagonista e a diferença narrativa em relação a animação clássica de 1998, todos acontecimentos decisivos para polêmicas e baixos números de bilheteria mesmo com restrições na China. Aliás, o mercado chinês que era o maior alvo da Disney antes do Covid-19 espalhar-se pelo mundo. Então tudo isso é uma mistura feita para dar errado mercadologicamente, mas na pratica e como produção será que funcionou... No Brasil foi mais fácil, já que está incluso no serviço de streaming da Disney, vamos ver se valeria pena pagar para assisti-lo nas telonas.


Não sou fã da animação, assisti apenas uma vez e nem lembro direito da história, não ligo se cortaram o Mushu (Dragão alívio cômico, originalmente dublado pelo Eddie Murphy) e se tiraram as músicas... Os trailers prometiam uma grande batalha feudal entre o bem e o mal, coreografias incríveis e cenas de lutas em grande estilo, com uma fotografia de cair o queixo. Mas na verdade, só o final foi entregue. A trama é muito simplória, as ambições e mudanças de atitudes dos personagens não causam impactos necessários e o excesso de cortes nas cenas de ação e pouco carisma da protagonista, somado a uma baixa química entre os atores, deixou tudo muito morno. Os personagens Individualmente funcionam no visual e com algumas falas, mesmo sem grandes desenvolvimentos, mas juntos são fracos, parece jornadas individuais, você não sente nada quando estão se relacionando, seja Mulan com os outros personagens, ou entre eles. Resta saber se entregariam pelo menos um bom arco final... E isso até que não é desastroso, mas com os problemas já mencionados acima, tiram o impacto de algo que prometia ser mais do que entregou.


Visualmente o filme é incrível, a sonora inicial, as cenas coreografadas da pequena Mulan e depois adulta, são muito bem feitas. Os personagens em movimento sem interagir entre eles na ambientação colocada numa fotografia bem cuidada entregam uma boa experiência que deveria ser muito interessante ter visto em IMAX nos cinemas. Apesar de não haver as músicas, a parte instrumental somada as cenas de batalhas, mesma com excesso de cortes nas lutas, não se desabonam muito nesse quesito. Você até tenta se interessar pela história, mas ela vai se esvaindo de certa forma durante seus atos, faltou direção e um melhor casting para dar uma qualidade de roteiro, não adianta um elenco todo asiático para agradar a China (Coisa que o longa não fez, com os problemas  mencionados no segundo parágrafo dessa crítica) se você não consegue desenvolver eles de uma forma aceitável. Sobre o elenco... Yifei Liu não demonstra carisma, e apesar de uma grande caracterização, não entrega boa atuação. Donnie Yen é um dos mais experientes do grupo e entrega bem até certo ponto, quando fica meio obsoleto na trama. Jet Li com seu imperador bem artificial, também foi mal. Dos vilões, ambos foram escritos de forma confusa e seus interpretes, Li Gong e Jason Scott Lee, fizeram o que pode. Do restante, ninguém chama atenção. Mulan é um live-action bonito de se ver e talvez valesse a curiosidade de assisti-lo em uma tela gigante e som potente de um IMAX, mas entrega uma história chocha, sem grandes acontecimentos e pecando no que mais parecia ser o seu forte, as cenas de lutas, devido a tantos cortes. Para uma inclusão em serviço de streaming, vale pela oportunidade de assistir algo que originalmente teria que ser pago por fora, só que entregou pouco para ser visto nos cinemas, que não seja o visual.

Imagens fornecidas pelas assessorias ou retiradas da internet para divulgação/Biografias usadas são da IMDB
  ____________________________________________________________________
 Dúvidas, sugestões, parcerias e indicações: contato.parsageeks@gmail.com

Comentários via Facebook

0 Comments:

Postar um comentário

Publicidade

ParsaGeeks

© ParsaGeeks - Desbravando Filmes e Séries – Nossos Brindes de Cinema (NBC) Grupo ParsaGeeks