Destaques

Newsletter

domingo, 1 de março de 2020

Crítica Cinema | O Oficial e o Espião

(Muito bom filme contra o prejuízo e a luta pela verdade
By Tomás Allen


Sinopse: Paris, final do século 19. O capitão francês Alfred Dreyfus (Louis Garrel) é um dos poucos judeus que faz parte do exército. No dia 22 de dezembro de 1884, seus inimigos alcançam seu objetivo: conseguem fazer com que Dreyfus seja acusado de alta traição. Pelo crime, julgado a portas fechadas, o capitão é sentenciado à prisão perpétua no exílio. Intrigado com a evolução do caso, o investigador Picquart (Jean Dujardin) decide seguir as pistas para desvendar o mistério por trás da condenação de Dreyfus. Elenco ainda conta com Emmanuelle Seigner, Melvil Poupaud, Grégory Gadebois, entre outros. Roteiro e direção de Roman Polanski. Distribuição nacional da Califórnia Filmes. Estreia 12 de março de 2020. Para assistir ao trailer, clique aqui.

O Oficial e o Espião (J'accuse)


Muito interessante realização do conhecido diretor polonês Roman Polanski. É a história (também famosa) de Richard Dreyfus, um soldado judeu do exército francês, que em 1895 foi injustamente acusado e falsamente declarado culpado de espionagem contra seu país.  O longa-metragem começa em modo dramático e não oculta parte do percurso que virá, até porque está “baseado em fatos reais” (como se adverte no início) e que foram amplamente conhecidos a nível nacional e internacional. O Oficial e o Espião está muito bem elaborado por profissionais experientes: a música do célebre Alexandre Desplat é excelente, a fotografia de Pawel Edelman, com diversas nuances, é delicada, ao igual que o figurino de Pascaline Chavanne, a direção de arte de Dominique Moisan, o decorado de Philippe Cord'homme e a edição de Hervé de Luze, que não apresenta defeitos e dá um ritmo adequado, que praticamente não decai. 


Louis Garrel como Alfred Dreyfus, digno em sua defensa e corajoso em suas convicções, e Jean Dujardin como o Coronel Picquart, valente investigador defensor da verdade, compõem bem personagens com aspectos admiráveis.  Mas não devemos acreditar que é um filme feito apenas por artesãos. Além desses méritos, há uma série de assuntos de conteúdo, densos: sobretudo está presente a injustiça humana, baseada no preconceito e na subsequente teimosia do poder nacional para manter essas arbitrárias decisões iniciais e não prejudicar as altas autoridades envolvidas no caso.
 

Honra, honor, confiança e desconfiança nos superiores, são outros fatores evidenciados. Inclusive em uma cena de duelo muito dramática. Polanski vai montando em forma precisa a sucessão de situações. É sóbrio e meticuloso, com uma ambientação perfeita. E os elementos que fazem parte do fundo do relato vão-se consolidando: a injusta condena de Dreyfus tem como bases principais o ódio, o jogo de interesses e a ignorância (o povo também julga, sem elementos suficientes). Porém, além de Picquart, há um outro personagem que escreve uma página histórica e que o filme também não esquece: J’Accuse, texto do célebre escritor Émile Zola, que denuncia todas as manobras dos diversos níveis do poder público para condenar uma e outra vez a Dreyfus. As reações confrontadas que produz o texto de Zola também põem em evidência e mais uma vez a luta pela verdade, ocultada deliberadamente, e que é central em O Oficial e o Espião.  Por tudo o antes enumerado, muito bom filme.

Obs.: Biografias de atores e filmes IMDB. As imagens foram disponibilizadas pela assessoria da distribuidora do filme.
  ____________________________________________________________________
 Dúvidas, sugestões, parcerias e indicações: contato.parsageeks@gmail.com

Comentários via Facebook

0 Comments:

Postar um comentário

Publicidade

ParsaGeeks

Instagram

© ParsaGeeks - Desbravando Filmes e Séries – Nossos Brindes de Cinema (NBC) Grupo ParsaGeeks