Destaques

Newsletter

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Crítica Cinema: Bumblebee

(Um respiro divertido e agradável dentro de uma franquia que tinha se perdido na megalomania)


Sinopse: Charlie (Hailee Steinfeld, Bravura Indômita) é uma jovem que está para fazer 18 anos que ainda sofre com a perda do pai e por não está se adaptando com a nova família que sua mãe formou ao lado de um novo amor. Sua vida muda quando ela ganha um fusca amarelo que estava em um ferro velho e o leva para casa, pois o que a garota não esperava era que esse carro é um robô que veio fugido de outro planeta, pois está sendo caçado por outros da sua espécie (Decepticons) e ainda pelo exército liderado pelo Agente Burns (John Cena, Pai em Dose Dupla 2) que o culpa por uma tragédia com sua equipe. Com o veículo batizado pela garota de Bumblebee... Ambos vão ter que aprender a conviver juntos e ao mesmo tempo fugir dessas ameaças do espaço e militar. Elenco ainda conta com John Ortiz, Jorge Lendeborg Jr, entre outros. Direção de Travis Knight (Kubo e as Cordas Mágicas). Produção e distribuição da Paramount Pictures.

 Cinema 556: Bumblebee


Essa história é um spinoff que se passa antes do primeiro Transformers, claro que a cronologia está toda bagunçada após a primeira trilogia e principalmente por causa de Transformers: O Último Cavaleiro que deixou vários furos na franquia  de brinquedos da Hasbro. Uma mudança logo de cara é que apesar de ser um dos produtores... Nem direção ou roteiro tem dedo de Michael Bay, pois esse sim, acabou com o legado apostando em filmes longos, explosões e roteiros mais furados que rede de pesca. Ele é o maior responsável pelo desgaste dos Transformers nas telonas, coisa que foi vista no último filme que foi um fracasso de crítica e público (antes era só de crítica, mas dessa vez o público ficou saturado com Bay e suas pirotecnias). Mesmo ainda tendo um sexto da franquia nos planos, a ideia aqui é revitalizar a franquia, repaginar e da uma perspectiva mais limpa e sem muito compromisso do que uma aventura da vez e sem grandes proporções mundiais... Pois se lembrar-nos do quarto filme dos Transformers, o subtítulo é A Era da Extinção, isso serve para os cinco primeiros filmes, pois todas às vezes parecia o fim do mundo. Em Bumblebee é tudo mais ameno, tem uma grande ameaça sim, mas contido na caçada ao robô amarelo.


Sobre a trama em si... A Charlie é uma personagem que foi dado algumas camadas emocionais, coisa que atriz consegue lidar bem (ela ainda novinha foi muito bem em Bravura Indômita ao lado de estrelas como Jeff Bridges, Josh Brolin e Matt Damon). Os tormentos pessoais delas são tão forte que o apego dela pelo Bumblebee é instantâneo, isso devido à tão deslocada da vida ela estava sentido naquela nova família que sua mãe formou... Claro que nada tão dramático, que aliás, até abusa dos clichês em muitas partes, só que foi o mais perto de trabalhar bem o protagonista humano da franquia que chegaram. Quanto ao Bumblebee... Algumas perguntas são respondidas (Não que alguém queria saber vide Han Solo - Uma História Star Wars) de como ele chegou a Terra, perdeu a voz e o porque do carro que ele aparece no primeiro Transformers. O plot é bem básico e sem nenhuma complicação como os outros do Michael Bay... A menina pega amizade com o robô, eles são caçados pelo exército e por dois Decepticons e só. Fora isso, temos uma jogada legal do Bee sendo fusca e uma subtrama ali com o exército e os vilões do espaço, além de um pouco da guerra que os Autobots estão travando para defender sua terra natal, mas essa parte só no começo para não complicar a narrativa da história que é bem linear e sem grandes desvios, coisa que Bay não conseguiria fazer de jeito nenhum.


Os efeitos não têm do que falar pois são ótimos e ainda com um adendo... Dá para se enxergar tudo que acontece em tela nas partes de ação entre os robôs, tudo muito limpo, apesar do fato que na maioria do tempo ser apenas  Bee que é amarelo. dois Decepticons (um vermelho e um azul) e o exército lutando, o facilita as coisas, mas não tira o mérito, pois mesmo nas explosões e cenas noturnas você enxerga bem. Por não se arriscar muito e ser de uma narrativa bem simples, não temos furos de edição e tudo está bem ambientado, as cenas com o robô em ambientes fechados são bem gravadas e interação com os humanos também. Fechando a parte técnica com o som que é bom, seja da edição ou mixagem, tudo roda simples e tranquilo. Sobre o elenco... A Hailee que foi bem no que se precisava do papel, ela consegue ser bem agradável na sua personagem e  na interação com o Bumblebee. John Cena tem um começo promissor, depois cai devido termos uma ameaça maior (Decepticons), dava para ter explorado melhor o ator, pois é um papel que cai bem no jeito que ele atua... Fechando na parte familiar da protagonista, não comprometem, assim como o seu quase par romântico (Jorge Lendeborg Jr), mesmo eles tendo a maioria das partes clichês do filme. Bumblebee é um respiro agradável de uma franquia que estava megalomaníaca demais e cheia de furos de cronologia. Trás uma jornada simples de uma experiência agradável, divertida e leve de assistir, poderia não abusar tanto do óbvio, poderia... mas do jeito que as coisas estavam em Transformers, foi melhor uma narrativa assim, gostei do filme.

  ____________________________________________________________________
 Dúvidas, sugestões, parcerias e indicações: blogparsageeks@gmail.com

Comentários via Facebook

0 Comments:

Postar um comentário

Publicidade

ParsaGeeks

Instagram

© ParsaGeeks - Desbravando Filmes e Séries – Nossos Brindes de Cinema (NBC) Grupo ParsaGeeks