Destaques

Newsletter

domingo, 30 de dezembro de 2018

Batman vs Superman: A Origem da Justiça - O Injustiçado

(Zack Snyder deu sua visão envolvente e funcional que serviu perfeitamente nesse filme)


Em março de 2016 chegava aos cinemas Batman vs Superman: A Origem da Justiça, o filme de herói mais aguardado dos últimos tempos até então (Depois Guerra Infinita). A visão de Zack Snyder que é conhecido por ter um estilo próprio de direção que trouxe um tom mais sombrio e realista ao confronto que não se esperava assistir tão cedo nas telonas. Após sua estreia... A história mudou, bilheteria abaixo do esperado, críticas pesada e a coisa foi tão feia que respingou nos filmes seguintes da DC Comics e praticamente enterrou o estilo Snyder e um mundo interligado, pois os filmes da Mulher-Maravilha e Aquaman que foram os mais elogiados após BvS praticamente são independentes na cronologia de longas-metragens da editora e o sonho de ser "tipo Marvel" ficou mais complicado. Mesmo assim Batman vs Superman é algo para se admirar, já que entrega algo único e uma visão que funciona apenas nesse filme e nada mais, por isso, vamos aos pontos positivos desse embate épico.

 Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman vs Superman: Dawn of Justice)

®foto da minha coleção pessoal

A história se passa após os desastres do confronto do Superman (Henry Cavill) contra o General Zod (Michael Shannon) que destruiu Metrópoles no filme O Homem de Aço (2013), agora Batman (Ben Affleck) teme que o herói possa se virar contra humanidade, dentro disso, o plano de Lex Luthor (Jesse Eisenberg) faz com que os dois heróis entre em um confronto épico que depois piora quando o vilão cria o Apocalipse, nisso tudo, entra a Mulher-Maravilha (Gal Gadot) que ajuda a dupla de heróis a lutar contra o monstro, esse confronto que encerra-se com o sacrifício do Superman para derrotá-lo. A primeira vista parece uma narrativa pipoca que não tinha como dar errado para o grande público, só que a forma escura, sombria e realista deixou a massa que estava acostumada com o estilo colorido e bem humorado da Marvel Studios meio decepcionada. Lembro que assisti na pré estreia (Depois mais duas vezes nos cinemas) e gostei da proposta, apesar de achar alguns furos e a sensação de algo incompleto (Resposta veio no Blu-ray com meia hora a mais e intitulada de versão Ultimate), mas a percepção na hora era de que o mostrado ali não iria agradar muitos, assisti com alguns amigos que só vão em grandes blockbusters, metade odiou e a outra metade achou sem sal, só eu tinha gostado.


Gostei porque a proposta oferecida era de uma ambientação a lá Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, o roteiro foi imerso dentro de uma narrativa dura, questionadora e que minava uma realidade para ambos protagonistas de quando chegasse a hora uma luta aconteceria... E não foi qualquer luta, apesar de não chegar a 10 minutos, mesmo assim, uma intensidade nunca visto em filmes de heróis, uma violência extrema que um lado apenas o ódio dominava (Batman) e no outro a angústia de uma pessoa (Superman) que além daquele perigo iminente, tinha sua mãe nas mãos de um inimigo que arquitetou até os menores detalhes para esse embate. Esse que por sua vez encerrou-se em apenas uma palavra "Marta", coisa odiada e chacoteada por muitos, como era possível o simples fato de que ambos rivais têm o mesmo nome da mãe e isso resolverem tudo... Para e pense, durante todo o tempo vimos um Bruce Wayne amargo, cheio de perdas nas costas, com pesadelos e um distúrbio obsessivo para confrontar uma ameaça que nem era uma ameaça assim, o Batman estava tão perturbado que sim Marta foi a forma do roteiro de exemplificar o quanto afetado estava o Homem Morcego, ao mesmo tempo em que o Superman pedir para salvar Marta foi a última tentativa em uma situação que ele viu que nada mais podia se fazer, muitos reclamam dele falar desse jeito, mas pensa bem... A luta começou porque ele queria salvar a mãe das garras do Lex Luthor, o cara passou aqueles quase 10 minutos apanhando e com o pensamento em salva-la, pois o seu oponente não dava respiro naquele confronto. Por isso Marta é mais do que funcional e foi importante para carimbar uma sensação de perturbação de ambos e que somente aquilo poderia cessar aquele duelo que não fosse a morte de um, além do que deu um estalo em Bruce que o fez lembrar de que ele ainda era um herói, apesar das perdas e do quanto ele passou por esses anos lutando contra os criminosos mais insanos de Gotham. Pena não vermos mais isso, porque as coisas mudaram de rumo no tom dos filmes, isso deixa BvS mais único, pois só ali tivemos um herói que perdeu tudo e que se apegou em algo como seu último ato heroico, mesmo ciente do que ele pretendia fazer ia contra qualquer forma de heroísmo, no caso matar, por isso Marta salva não só um herói,  mas como os dois.


Para entender melhor BvS, precisa assistir a versão Ultimate com meia hora a mais, pois nela você tem as motivações do Superman para contra o Batman e cobre uns furos que ficaram na versão de cinema. Fica algo fechado e completo... Pois tudo isso se junta a uma fotografia tensa, trilha sonora melancólica e um jogo de bastidores no qual o Lex Luthor dava as cartas, o jeito representativo de tudo que leva ao confronto é de uma paciência extrema e de boas falas e questionamentos dentro da história que fazem a coisa andar, deixa-se o roteiro falar por si, para então darmos ao público ação, coisa que só acontece perto do fim, pois o campo foi bem preparado. A partir dai Snyder entrega o que a grande massa queria, ação e ação, coisa que não para no embate, se estica para a triunfal entrada da Mulher-Maravilha na luta, coisa que arrepia até hoje e um confronto sem igual que para fazer jus com tudo mostrado até então, um grande sacrifício para mudar a forma de pensar não só do Batman, como da população em si... Abri os olhos para o que é diferente não quer dizer uma ameaça, meio expansivo, mas serve para tudo na vida se parar e pensar.


Durante essas três horas de filme (Ultimate) a forma encontrada para Zack Snyder era  de impor sua visão única de um mundo questionador e heróis com seus demônios interiores, sejam das perdas ou da própria vontade de apenas ajudar o mundo por ser um alienígena e se vê na obrigação de mostrar o seu valor (Coisa mencionada pela Marta em uma conversa com Clark, tá vendo Marta é a chave) não são poucas vezes que tudo é aprofundado ao extremo. Assim como tudo se clareia com a entrada da Mulher-Maravilha, luta da trindade, sacrifício, a dor da perda e por fim a chance de termos uma Liga da Justiça. Fechando... Batman vs Superman é um filme especial, gostei e entendi na hora que o grande público não iria gosta, uma visão que não funciona em Homem de Aço, não funcionaria para outros filmes, todo aquele desenvolvimento serve apenas para esse BvS, nem um BvS 2 iria ficar tão bom, pois Batman vs Superman: A Origem da Justiça é uma jornada de questionamentos, ódio, luta, sacrifício e esperança... Aonde todos os personagens têm seus papéis bem entregues em uma visão distópica de um quadro entre luz e trevas que na verdade é um só, além de ser um dos poucos filmes de heróis que as pessoas comuns são importantes para o andamento da trama e se você aceitar que apenas naquela narrativa você encontrará algo único, pode ter certeza que a experiência vai ser única também. Melhor filme dessa nova DC e no geral só fica atrás de Cavaleiro das Trevas de Nolan, Superman de 1978 e Batman de 1989 que são outras pérolas. BvS tem seus defeitinhos, tem sim, mas no contra ponto da experiência que ele oferece de uma visão alternativa de como ser herói, acaba-se deixando de lado e melhora a cada vez que você assiste de novo. Coloque nos comentários se vocês gostam de BvS ou odeiam e porque ^^.

 
  ____________________________________________________________________
 Dúvidas, sugestões, parcerias e indicações: blogparsageeks@gmail.com

Comentários via Facebook

0 Comments:

Postar um comentário

Publicidade

ParsaGeeks

Instagram

© ParsaGeeks - Desbravando Filmes e Séries – Nossos Brindes de Cinema (NBC) Grupo ParsaGeeks